Solo Fértil

Aline Pinna


Solo Fértil (Kiss the Ground) lançado pela Netflix, mostra o papel do solo da Terra como ator principal para a vida. O filme foi produzido nos EUA, possui 84 minutos e conta com Woody Harrelson como narrador, além de Gisele Bündchen, Ian Somerhalder, Patricia Arquette e Tom Brady no elenco.


Foto: Reprodução


O documentário estreou em 22 de Setembro de 2020. Com classificação livre, pode ser visto por todos, no entanto na Netflix ainda não existe a versão dublada em português, mas está disponível a legenda em diversos idiomas, inclusive em português.

Com o intuito de aumentar a conscientização da sociedade quanto aos benefícios de um solo saudável, o filme apresenta a crise ambiental destacando as mudanças climáticas e o processo de "desertificação" do solo. Desta forma, a importância da qualidade do solo é exposta de forma didática, estabelecendo relação com a crise climática.


Foto: Reprodução


A agricultura intensiva utiliza intensivamente novas técnicas e tecnologias para o aumento e aceleração da produtividade agrícola. No entanto o custo ambiental é alto, pois é retirada a cobertura vegetal original, e esse desmatamento para o cultivo é necessário para utilização de maquinário que não trabalha com o plantio integrado à vegetação original. Além do solo, esse maquinário utiliza combustíveis fósseis que queimados para geração de energia contribuem para a poluição do ar.

A utilização de agrotóxicos no combate às pragas, além de eliminar diversos insetos pulverizadores, contaminam o solo e a água, pois com a chuva ou a irrigação, esses produtos químicos penetram na terra atingindo camadas mais profundas do solo e os mananciais de água doce.

O empobrecimento do solo devido a agricultura química e industrial e da pecuária de confinamento aceleram a emissão de gases de efeito estufa, isto é, colabora com o aumento da temperatura. O ato de arar a terra para prepará-la para a plantação e o uso de agrotóxicos são responsáveis pela eliminação da vida do solo, plantas e microorganismos que vivem ali e nele fixam o dióxido de carbono evitando sua liberação.

Como um caminho para equilibrar o clima e reabastecer o suprimento de água, além de alimentar o mundo, o filme apresenta a "agricultura regenerativa", que sequestra e armazena o dióxido de carbono em vez de liberar e acumular CO2 na atmosfera. Nesse sistema, as práticas agrícolas aumentam a biodiversidade, enriquecem os solos, melhoram as bacias hidrográficas e melhoram os serviços do ecossistema.


Foto: Reprodução


O plantio é feito direto, sem a retirada da cobertura ou qualquer forma de preparo, nesse sistema o solo fica coberto o ano todo e há a rotação plurianual de culturas. A agricultura regenerativa tem como o objetivo produzir e recuperar o solo ao mesmo tempo. Esse sistema é baseado em pesquisa científica e aplicada pelas comunidades globais de povos indígenas, agricultura orgânica, agroecologia, manejo holístico e sistemas agroflorestais.

O filme disponível na Netflix é um dos produtos de uma organização sem fins lucrativos chamada de Kiss the Ground (KTG). A KTG disponibiliza diversos materiais como um livro, uma série de vídeos, podcast, blog, além dos programas: Farmland e Stewardship. O Programa Farmland oferece apoio a fazendeiros e pecuaristas como treinamento, orientação, teste de solo entre outros. O Programa de Stewardship é uma plataforma educacional.


Foto: Reprodução



Referências:

Alô Alô Bahia. Documentário produzido por Gisele Bündchen estreia na Netflix. Publicado em 22 set 2020. Disponível em: https://aloalobahia.com/notas/documentario-produzido-por-gisele-bundchen-estreia-na-netflix. Acesso 14 jul 2021


ALVES, José Eustáquio Diniz. Documentário Solo Fértil – ‘Kiss the Ground’. EcoDebate. Publicado em 02 dez 2020. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2020/12/02/documentario-solo-fertil-kiss-the-ground/. Acesso 14 jul 2021


Filmow. Solo Fértil 2020. Disponível em: https://filmow.com/solo-fertil-t304522/. Acesso 14 jul 2021.


31 visualizações0 comentário