Consumo consciente e economia circular

Atualizado: 10 de mar. de 2021

Por Aline Pinna & Raphaela Mattos


Estamos sempre em busca de meios para diminuir o impacto de nossas ações na Terra. Por mais que esses pequenos atos, como fechar a torneira enquanto escovamos os dentes, estejam presentes no cotidiano das pessoas, existe uma mudança na forma econômica de agir e pensar que podemos melhorar.


Economia Linear: ‘extrair-produzir-descartar’


Atualmente, grande parte do mundo funciona no sistema de Economia Linear, nos quais os recursos naturais são extraídos para servirem como matéria prima para produção de mercadorias na indústria. A seguir, o produto vai para a distribuição chegando ao comércio e, finalmente, é consumido pelas pessoas. Contudo, logo após esse consumo, o produto perde seu valor e segue para o descarte. Em resumo, os materiais são extraídos diretamente do planeta e se tornam resíduo logo após o seu uso, não havendo comunicação entre o início e fim nessa indústria projetada ao longo dos anos.


Com esse tipo de processo produtivo, o mercado permanece usando diretamente os recursos naturais, os quais muitas vezes não são renováveis, e gerando resíduos que, por sua vez, não são adequadamente descartados. Sendo assim, no momento em que uma dessas matérias-primas se esgotar, toda uma indústria poderá estagnar, além do próprio meio ambiente ser diretamente esgotado. É evidente que esse paradigma de produção e consumo chegará a um limite no longo prazo.


O que é Economia Circular?


Com a intenção de modificar a economia baseada no ‘extrair-produzir-descartar’, surge a Economia Circular, a qual acrescenta à Economia Linear o retorno de parte do material consumido e, nesse sistema, o conceito de lixo não existe. Na Economia Circular são pontos importantes:


  • O reuso: reutilizar algo, isto é, prolongar a vida de algo fazendo que este dure o máximo de tempo possível. Alguns exemplos são a compra e venda de artigos usados e as roupas do irmão maior passarem para o irmão menor. Essa é a melhor opção por ser a mais simples e que demanda menos gasto;

  • A remanufatura: consiste nas etapas de desmontagem do material usado, na reparação ou substituição de partes do produto, na limpeza ou até mesmo em testes de qualidade. O bem remanufaturado é o que passa pelo processo de remanufatura e se encontra em perfeitas condições de funcionamento como um novo;

  • Updating: é um tipo de remanufatura em um objeto eletroeletrônico;

  • Reciclagem no nível industrial: reprocessar algo em um novo produto, nesse processo existe gasto de energia. Um exemplo são as roupas feitas de material reciclado de garrafas pet.


O sistema de pensamento do processo circular, acaba se comunicando com a logística reversa, que seria justamente o conjunto de modelos que levam o recolhimento e a volta dos resíduos sólidos ao setor empresarial.


Assim, a maioria dos produtos que seriam descartados poderiam voltar para o mercado e serem usados da mesma forma, ou não. Além disso, os recursos naturais não seriam tão visados, pois as indústrias teriam outras fontes de recurso, desacelerando o desgaste e consumo inconsciente do meio ambiente.


O que eu posso fazer?


Por mais que a economia circular pareça utópica, há muitas pesquisas acontecendo para que ela seja posta em prática. Na realidade, todos podem fazer parte desse ciclo ao reutilizar um produto consumido, descartar de forma correta, buscar produtos sustentáveis ou que tenham um fim alternativo. Dessa forma, não só a indústria, como a sociedade como um todo estará abraçando a economia circular e tornando-a mais possível.



Referências:













49 visualizações0 comentário