Uma análise sobre o filme Ponyo e o Aumento do Nível do Mar

Atualizado: 5 de mar. de 2021

Por Gabriela Mazzoco Leão Pedroso


Aumento do nível do mar

Em determinado ponto do filme, acontece uma tempestade muito intensa, em conjunto com ondas gigantes, que submergem a cidade quase inteira e bloqueiam as estradas. Ponyo e Sosuke ficam ilhados na casa do menino, que fica no topo de uma colina, enquanto a mãe, Lisa, vai ao lar de idosos ajudar. Eles conseguem sair de casa em um pequeno barco e encontram outros barcos de resgate recolhendo os moradores da cidade ao longo do percurso.


Cena do Filme Ponyo, cidade submersa


Na vida real, sabemos que o aumento do nível do mar está em curso e é majoritariamente causado pelo derretimento das calotas polares e o aumento da temperatura da Terra. Como consequência, vários locais sofrem com tsunamis e ondas gigantes que, além da destruição de bens materiais, causam a perda de incontáveis vítimas.

Causas do Aumento do Nível do Mar

O aumento do nível médio do mar é causado majoritariamente pelo aquecimento global, porém como isso ocorre? A partir do aumento da temperatura média global, tem-se que o oceano absorve cerca de 90% deste aquecimento e, por consequência, sofre expansão térmica, aumentando o nível médio do mar. Expansão térmica significa que as moléculas de águas incham e ocupam mais espaço quando aquecidas.

Ainda, com o aquecimento da superfície terrestre através do aumento das temperaturas globais, os glaciares têm um balanço de massa negativo, isto é, o degelo sofrido é maior do que a quantidade de gelo formada ao longo do ano. É importante ressaltar que os maiores contribuintes para este aumento são os glaciares da Groenlândia e da Antártica, que se situam em terra firme.

Por meio de estudos científicos e dados coletados, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, mais conhecido como IPCC, produziu um relatório que prevê uma variação indicativa de 0,26 a 0,77m até o ano de 2100 para o aquecimento global de 1,5°C, 0,1 m (0,04-0,16 m) menor do que para um aquecimento global de 2°C. Uma redução de 0,1m na elevação global do nível do mar implica que até 10 milhões de pessoas estarão menos expostas aos riscos associados, com base na população de 2010 e assumindo que não haverá nenhuma adaptação. Contudo, sugere-se que esta estimativa projetada pelo IPCC seja no mínimo otimista. Isso porque diversos estudos indicam que se as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) continuarem na mesma proporção teremos um aumento de 2°C a 4°C, o que causará um efeito ainda maior na elevação do nível médio dos oceanos.


Glacieares na Groênlandia - Foto: Jennifer Latuperisa-Andresen/Unsplash.

Também é importante lembrar que, quanto maior o derretimento das calotas polares, maiores são as emissões de GEE - que antes estavam aprisionados dentro dos glaciares (as chamadas bombas de carbono) - , desencadeando um aumento ainda mais rápido na temperatura global e na elevação do nível do mar (SLR). De acordo com o IPCC a média de SLR é de 3,6 mm/a, mais de 2x mais rápida do que o último século, ou seja, não só o nível médio do oceano está subindo como está subindo mais rápido!!


Consequências do Aumento do Nível do Mar


Há diversas consequências irreversíveis e drásticas devido ao SLR, tanto em termos de impactos ambientais quanto de impactos socioeconômicos. Para o meio ambiente tem-se efeitos diretos como a alteração da temperatura e acidificação das águas devido a absorção de CO2. Estes fatores desregulam todo ecossistema marinho e põem em risco a sobrevivência das espécies, pois não conseguem se adequar tão rapidamente às novas condições impostas.

Além disso, se tem a alteração de correntes marinhas que provocam redistribuição de massas de ar, o que está intimamente ligado com a maior incidência de eventos extremos como enchentes, tsunamis, tornados etc. Estima-se que estes eventos que deveriam acontecer 1 vez ao século passarão a ocorrer 1 vez ao ano, desestabilizando grande parte das áreas costeiras.

Sobre os impactos socioeconômicos pode-se ressaltar que as áreas litorâneas, as quais compreendem a maior parte da população mundial, serão as maiores impactadas, juntamente com as ilhas insulares, como seria o caso da ilha onde se passa o filme Ponyo. Sabe-se que Ponyo foi inspirado no Parque Nacional Setonaikai, que abrange algumas ilhas como a Ilha Miyajima. Por meio da ferramenta Central Climate Map podemos ver que esta área será imensamente impactada até 2050, com um aumento de 0,5-1m do nível de água. Sosuke e Ponyo estariam em grande apuros no mundo real devido ao aquecimento global!

Mediante exemplos reais, mais de uma dúzia de ilhas já foram perdidas e sumiram do mapa, existindo casos tanto de ilhas desabitadas como de habitadas. Entre as ilhas habitadas podemos citar Carteret, Papua Nova Guiné e da Ilha Lohachara, Índia, no qual houveram os ditos refugiados do clima, isto é, pessoas forçadas a deixar o lugar em que viviam em virtude de eventos climáticos e ambientais. Para as ilhas desabitadas há também uma grande perda de biodiversidade e principalmente de espécies endêmicas (que só ocorrem naquela região).

Refugiados climáticos - Fonte: Combate Racismo Ambiental


Em resumo, o aumento do nível do mar provoca a perda de terras cultiváveis, ecossistemas e cidades. Isto força migrações em massa, aumenta a vulnerabilidade à tempestades e eventos extremos, gera insegurança social e alimentar, causa intrusão salina, salgando aquíferos potáveis, entre outros efeitos.


A partir desta análise pode-se perceber que estamos diante de um cenário catastrófico e que, conforme adiamos, ignoramos ou repassamos as responsabilidades, mais e mais se agrava. Uma boa notícia é que, como o aquecimento global é causado especialmente pela emissão de GEE, principalmente o CO2, é possível endereçar o problema e reduzi-lo (porém não evitá-lo) através da alteração intensa e rápida do estilo econômico, de produção e consumo mundial.

Referências




32 visualizações0 comentário