Diferentes tipos de plástico - quais são recicláveis?

Por Déborah Alvarenga


O plástico é o maior desafio ambiental do XXI, pois, a cada ano, cerca de 13 milhões de toneladas de lixo plástico são jogadas na natureza. Esses resíduos demoram muitos anos para se decompor e, por isso, vão parar nas ruas, bueiros, oceanos, florestas ou lixões, sem um destino ecológico para esse material, na maioria das vezes. A consequência disso é o desequilíbrio do ecossistema e a morte dos animais marinhos, por exemplo. Contudo, não se pode acusar o plástico de ser o grande vilão dessa história, pois ele é importante na fabricação de inúmeros produtos que consumimos no dia a dia. O grande problema é que não estamos aproveitando-o corretamente após seu uso e, com base nos dados da ONU Meio Ambiente, apenas 9% de todo o plástico produzido é reciclado. Para entender por que isso ocorre, precisamos saber quais são os tipos de plástico e quais deles podemos reciclar.


Tipos de plástico

No geral, podemos classificar os plásticos em termofixos e termoplásticos. O primeiro grupo diz respeito àqueles que não podem ser reciclados mecanicamente, pois na obtenção dos produtos ocorrem reações químicas irreversíveis. O segundo é o mais comum, podendo ser derretido e, quando resfriado, não perde suas propriedades químicas. Porém, para fins de reciclagem, a Associação Brasileira da Indústria do Plástico divide esse material em 7 categorias:


1 - Politereftalato de etileno - PET (É transparente, inquebrável, impermeável e leve. O PET é utilizado, principalmente, na fabricação de embalagens de produtos alimentícios, como água, bebidas carbonatadas, óleos e sucos, produtos de limpeza, cosméticos e farmacêuticos.

2 - Polietileno de Alta Densidade - PEAD/HDPE (Resistente a baixas temperaturas, leve,

impermeável, rígido e com resistência química e mecânica, o PEAD é usado na fabricação de

tampas para garrafas de refrigerante, potes para freezer e outras embalagens para alimentos,

brinquedos, eletrodomésticos, escovas e cerdas de vassoura, engradados, etc.)

3 - Policloreto de vinila - PVC (Por suas características como rigidez, impermeabilidade e

resistência à temperatura, é usado principalmente em tubos, conexões, recobrimento de cabos

elétricos, materiais de construção, como janelas, portas, forros e esquadrias. O PVC também

pode ser aplicado na fabricação de brinquedos, alguns tipos de tecido, chinelos, cartões de

crédito, tubos para máquinas de lavar roupa, filmes esticáveis e frascos para cosméticos)

4 - Polietileno de Baixa Densidade - PEBD/LDPE (É flexível, leve e transparente. Usado na produção de filmes termoencolhíveis ou termocontráteis, fios e cabos para televisão e telefone, filmes de uso geral, sacaria industrial, tubo de irrigação, mangueiras, embalagens flexíveis, impermeabilização de papel, camada selante em estruturas cartonadas, etc);

5 - Polipropileno - PP (Embalagens para alimentos, produtos têxteis e cosméticos, tampas para garrafas de refrigerante, copos descartáveis, potes para freezer e garrafões de água mineral são alguns dos produtos fabricados com polipropileno. O material também é utilizado em produtos hospitalares descartáveis, tubos para água quente, autopeças, fibras para carpetes, entre outros, a exemplo de não tecidos e ráfia e demais itens que devam ser resistentes à mudança de temperatura, brilhantes e rígidos);

6 - Poliestireno - PS (Entre os produtos fabricados com o poliestireno estão os copos descartáveis, eletrodomésticos, produtos para a construção civil, autopeças, potes para iogurte, sorvete e doces. O EPS [Poliestireno Expandido - marca comercial do Isopor ] também está presente nas bandejas de supermercados, pratos, tampas, aparelhos de barbear descartáveis, brinquedos etc. As principais características do PS são a rigidez e a leveza);

7 - Outros (São as famílias, os compostos por diferentes camadas de resinas plásticas ou

plásticos com alumínio, por exemplo. É o plástico composto ou os materiais diferentes dos

números anteriores, os demais polímeros).


Há também os plásticos de engenharia, também termoplásticos, mas eles entram muito pouco nas embalagens.


Quais são recicláveis?

Todos eles são recicláveis, porém, alguns com mais facilidade do que outros. Ricardo Hajaj, coordenador da Câmara Nacional dos Recicladores de Materiais Plásticos, diz que “existem essas embalagens multicamadas, que possuem maiores dificuldades na reciclagem pois requerem processos mais elaborados. A dificuldade entra no fator econômico. Para reciclar, vou ter que adicionar um aditivo ou alguns componentes para que a mistura fique melhor. Isso custa caro.” Abaixo temos uma pirâmide da cadeia de valor para reciclagem, na qual o topo representa o plástico menos favorável e a base representa o mais favorável.


Pirâmide da Cadeia de Valor para Reciclagem - Foto: reprodução/ABIPLAST

Hajaj diz ainda que os mais difíceis de serem reciclados “são compostos, como plásticos multicamadas ou com alumínio. Quando são misturados torna-se difícil a reciclagem. Individualmente, todos são facilmente recicláveis. Agora, quanto mais contaminado, quanto mais escuro está o material, mais difícil. O material virgem é sempre claro e cristalino, nele há inúmeras possibilidades de beneficiamentos.” Além disso, os rótulos e tampas também podem dificultar o processo, pois eles deveriam ser feitos do mesmo tipo que está na embalagem para reciclar tudo junto, mas nem sempre isso acontece. Vale lembrar que os contaminantes não tóxicos serão retirados no processo de lavagem, enquanto os tóxicos não poderão ser encaminhados para a reciclagem normal e precisará entrar na reciclagem de produtos específicos, onde passarão pela descontaminação. Assim, não existem substâncias contaminantes na destinação pós-consumo, mas esse processo demanda muito tempo e dinheiro, então as empresas preferem não fazer a reciclagem.

Felizmente, por conta da necessidade de Economia Circular e, principalmente, da pressão popular, a reciclagem de plástico no Brasil está passando por uma transformação. Como a indústria desse material não atuou preventivamente no passado, hoje ela deve atuar “corretivamente”. O essencial agora é continuar exigindo maior atuação do poder público para diminuir os impactos negativos do plástico e para que possamos utilizá-lo corretamente.


Referências

Abiplast. PUBLICAÇÕES. Disponível em:http://www.abiplast.org.br/publicacoes/. Acesso em: 03/11/2021

ONU. Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Brasil. Disponível em:https://brasil.un.org/. Acesso em: 03/11/2021

22 visualizações0 comentário